amazonas sinfonia 1

AMAZONAS – SINFONIA PLÁSTICA
a dinâmica dos antagônicos

AMAZONAS – sinfonia plástica

É uma instalação artística que através do uso da tecnologia cria um discurso poético onde a narrativa se desenvolve com a interatividade multimídia de dois atores principais: o audiovisual e o visitante.

Este discurso poético cuja cinética de seus conceitos reflete na dinâmica dos antagônicos, onde sua energia perenal é forjada na insustentabilidade dos harmônicos, com seu movimento pendular e continuo, materializa-se na tenuidade dos planos existenciais.

Através de uma série de imagens primais do Amazonas cujo ecossistema reflete a existência conjunta de conceitos antagônicos, a grandeza e a fragilidade, a sinfonia plástica se manifesta, materializando-se através das intervenções plásticas, que servirão de elementos para as múltiplas leituras desenvolvidas pela interatividade.

Tais seqüências, caminhos virtuais, resultarão num discurso plástico em multimídia com recursos próprios de interatividade onde o tema, a dinâmica dos antagônicos, se constrói plástica e sinérgica com as imagens, musica e cenário, resultando num encontro poético com nós mesmos, inspirados pelas projeções de imagens animadas, conferindo impressões de etéreo na sua materialidade.

 

amazonas sinfonia 2

Antagônico
adj. (1899 cf. CF1) que opõe duas
forças ou princípios; contrário,
incompatível, oposto <idéias a.="">
<gênios a.="">  ETIM fr. antagonique
(1865), deduzido de antagoniste;

A dinâmica dos antagônicos

A narrativa temática se desenvolve num cenário que resgata certos conceitos; potencializado o diálogo de interatividade lúdica, expressa nas frases visuais e musicais desta sinfonia plástica.
A cenografia desta instalação transporta o visitante a um mundo que se desenvolve nas múltiplas alternativas de caminhos virtuais que são escolhidos durante o percurso.
A materialização deste tema será ilustrada a partir das fotos da Amazonas que servirão de substrato para as intervenções artísticas na busca de um discurso único e próprio cuja plasticidade conferida pela tecnologia aplicada transporta o visitante a uma viagem, uma reflexão da dinâmica dos antagônicos.

Instalação: ambientação / cenário

A instalação Amazonas – Sinfonia Plástica é construída de modo a permitir que o visitante vivencie de forma lúdica os conceitos de seu tema, através das projeções das imagens e sons.

A ambientação será desenvolvida num cenário onde os elementos cênicos, com forte uso de tecnologias aplicadas em soluções para projeção áudio visual, compõem através de sua interatividade lúdica uma experiência plástica.

A cenografia será desenvolvida de forma a dar ao visitante um agregado sinestésico de escala ergonométrica, através de um trabalho cênico no chão da instalação uma sensação de caminhar sobre as copas das árvores da floresta Amazônica, que se somando as projeções das imagens em telas de cristal com tecnologia Double-screen resultando numa viagem com grande apelo poético emocional.

amazonas sinfonia 2

A tecnologia Double-screen, possibilidade de visão dos dois lados, somada a uma estrutura de interatividade touch-sceen, reforçara a sensação etérea e difusa na fusão das imagens dinâmicas, construindo assim um discurso único e mutante através das diversas opções que o visitante encontrará durante o percurso.

A trilha sonora da instalação será desenvolvida de forma a reforçar essa dialética de significados através de uma instalação ambiental que para maior ênfase no uso do áudio será utilizado uma tecnologia onde alguns instrumentos serão evidenciado através de sua propagação a partir do vidro onde são projetadas as imagens, dando ao visitante uma sensação poética e própria daquele momento do percurso.

A interatividade via touch-screen será composta por cinco opções iniciais que se multiplicarão durante o percurso resultando em 50 opções que através de uma estrutura randômica de apresentação exponenciará os vários caminhos a um número significativo de visões do tema.

 

PLANTA BAIXA INSTALAÇÃO

Imagens primais - Amazônia

O tema “a dinâmica dos antagônicos” será materializado por imagens escolhidas da Floresta Amazônica , pois, sua existência esta cada vez mais ameaçada, independente de sabermos da sua importância para a humanidade. Soma-se a isso, o antagonismo que é o seu ecossistema onde com toda sua majestosa imensidão esconde uma fragilidade imensa , resultando num equilíbrio tênue, que a cada investida do homem não se recupera a curto prazo.
As imagens primais serão um conjunto de 150 fotografias de diversos aspectos da selva, capturadas pelo fotografo Bob Toledo.A partir dessas imagens será desenvolvido um discurso dinâmico e poético, resultado da interação entre elas e uma serie de elementos plásticos, com arquitetura vetorial, possibilitando ao visitante percorrer através de animações os caminhos virtuais resultantes das opções de interatividade existente no percurso.
Os elementos plásticos criados a partir do código de barra da logomarca da instalação, formas etéreas da flora e da fauna, entidades de fusão plástica com as fotos da selva, resultarão em poemas, onde a dinâmica dos antagônicos se manifesta como uma sinfonia plástica ..

 

DESENHOS DAS FORMAS

Musica – Fantasia Amazônica

A trilha musical Fantasia Amazônica inspirada em temas de Villa-Lobos será desenvolvida pelo músico Livio Tragtenberg numa composição musical para 10 instrumentos solistas, cordas e percussão.A partir da recriação de temas melódicos retirados da obra de Heitor Villa-Lobos, a composição musical se organiza como uma peça sinfônica de fôlego.

Construindo uma sonoridade vigorosa no estilo de Villa Lobos, alternam-se momentos de pujança rítmica e melódica, explorando os ritmos brasileiros com roupagem sinfônica com momentos de lirismo e sutileza melódica.

Os instrumentos solistas escolhidos abarcam a diversidade da música erudita e popular brasileira, incluindo a viola de dez cordas, o violão e o pandeiro, entre os eruditos: violino, clarinete, flautim e trompa.

A composição será feita para responder também demandas específicas da instalação audiovisual, dando ao visitante encontros lúdicos no decorrer do percurso. Assim, a medida que o visitante aproxima de uma projeção – e ao interagir com ela, acionando controles nas telas de imagens, a música se altera.

Será designado um instrumento solista para cada tela. A fim de que a música responde ao estímulo do visitante, trazendo para frente da textura musical que se desenvolve, um determinado instrumento solista.

A música como que responde ao toque, a participação do visitante que, assim, altera também a mixagem musical além da visual.

Para que essa engenharia da exposição seja desenvolvida de forma plena na linguagem musical, a composição terá portanto características próprias, que acomodem de forma confortável a imprevisível combinatória da manipulação do visitante, sem que se perca o fluxo harmônico e rítmico da música, que incorpora essas interferências.

Ritmos que remetem a grandiosidade dos rios, a complexidade das florestas e que criam uma moldura sonora estimulante, alternada a momentos de suavidade musical, onde instrumentos solistas imitam pássaros e animais, criando um ambiente confortável – mas estimulante – para que o visitante possa sentir-se a vontade inclusive para interagir com as telas e as imagens.

Os Choros, Bachianas Brasileiras, Uirapuru, A Descoberta do Brasil, Erosão, Noneto, Prelúdios para violão, Momoprecoce, Ondulando, são inúmeras as peças musicais de Villa-Lobos que inspiram a composição da Fantasia Amazônica. O fraseado maroto, o fraseado vigoroso, o ritmo possante, o toque lírico, são fontes de inspiração que buscam um diálogo com a riqueza pictórica das imagens projetadas. Ritmos pipocando e desaparecendo como num rasante sobre a imensidão da floresta.

Para a Orquestra serão convocados um grupo seleto de músicos solistas, em sua maioria músicos que participam dos quadros da OSESP - Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, com m regência do compositor. Serão 24 instrumentos de cordas (8 violinos, 6 violas, 6 violoncellos e 2 contrabaixos), 10 instrumentos solistas (violino, violoncello, viola de dez cordas, violão, flauta/flautim, clarinete, trompa, tuba, marimba e pandeiro) e três percussionistas

Tecnologia- sistenas de gerenciamento

Para a realização da instalação Amazonas - Sinfonia Plástica será desenvolvido um sistema de gerenciamento próprio para as necessidades do projeto por analistas de sistemas especializados na gestão de imagens e som.

A instalação contará com equipamentos de alta performace divididos em 10 módulos básicos compostos de hardware de 10 computadores, 10 projetores de alta definição, 10 tela de cristal com tecnologia doublé-screen, touch-screen para a interatividade e sistema de som pontual, gerenciados em rede de forma a responder em “real time” as demandas dos visitantes, proporcioando-lhes uma experiência plástica - poética e única do tema.